O Segredo do Natal (2014) English 1080p / Drama / Romance – Replay Filmes 2


O SEGREDO DO NATAL Allie, ouça.
Preciso que chegue na hora hoje. Tem macarrão com queijo
na geladeira para as crianças. Pode fazer o Zach fazer a tarefa
quando chegarem em casa? Allie, preciso saber
se posso contar com você. Bom. Tchau. Vamos, pessoal!
Vamos chegar tarde. Olhe, mãe, sou um pássaro! Meu bem, junte suas coisas,
por favor. Temos que ir para a escola.
Vamos chegar tarde. Mãe, adivinhe
que tipo de pássaro eu sou? Adivinhe, adivinhe! Cuidado, pássaro bobo,
não machuque suas asas. Sou uma águia,
como em um dólar. Essas panquecas
estavam muito boas, mãe. Acho que o restaurante deveria
deixar você ser a cozinheira. Obrigada. Fez a sua tarefa?
Deixe-me ver. Eu odeio matemática, mãe. -Não posso fazer isso.
-Haley, pegue a sua mochila. Eu posso ajudar. Há quatro xícaras
em um litro. Se eu comprar
um litro de sorvete esta noite, e todos receberem uma parte,
quanto recebe cada um? Mãe! Mãe! Eu quero voar como Peter Pan
para a Terra do Nunca. Então comece voando
para o carro. Vá. Uma xícara e um terço
para cada um de nós. Viu?
Você é um gênio da matemática. Só quando se trata
de sorvete. Tenha cuidado nas escadas. Zach, voltem direto para casa
depois da escola. A Allie vai encontrar
vocês aqui. Zach? -Combinado.
-Está bem. -Tem dinheiro para sorvete?
-Talvez. -O quê?
-A Dama Morcego -está nos observando.
-O quê? Querida, não deve chamar
as pessoas desse jeito. Sra. Dama Morcego. É assustadora. Talvez seja por isso que o papai
não veio nos visitar. Querido, ainda somos novos
neste bairro. Talvez ela
só esteja curiosa. O vovô vivia nesta cidade,
não é, mamãe? Isso mesmo. -Queria ter conhecido meu avô.
-Sim, quem dera. Não, não, não. Não! Podemos comprar
um carro novo? Não! De novo não, mãe.
O que fazemos? Seremos positivos
porque somos uma equipe. -Este carro é uma porcaria.
-Mas amamos este carro. Passamos muitas coisas
com este carro. Se não pegar, faremos exercício
caminhando até a escola. Eba! -Pegou, finalmente!
-Sim! Bom. Estou quase aí. Alô? Droga. Meu Deus! -Desculpe, desculpe!
-Mais devagar, mocinha. Seja o que for,
pode esperar. Onde ele está? -Eu também tenho filhos.
-Eu sei. -Preciso alimentá-los.
-Desculpe. Ninguém quer esperar meia hora
por uma xícara de café. Esta é a sua última chance. Anotem os pedidos! Vamos! Que mesas precisam
de atenção? Está bem, Omaha. Omaha, preparar…
Correr! Marshall! Marshall! Não precisa gritar,
não sou surdo. Você não pediu a coleção
de bonecas Sweet Tuesday, -nem os blusões com capuz.
-Vou pedir agora. Não é bom guardar as coisas
do Dia de Ação de Graças e colocar
a decoração de Natal? Não recebemos
os livros de cozinha, nem as velas,
nem a louça que pedi. -Sabe por quê, amor?
-Não. Porque você também não fez
esses pedidos. Marshall, faltam três semanas
para o Natal. Pensei que faríamos
algumas mudanças aqui. Bom, vou fazer os pedidos. Não, é tarde demais.
Eu já fiz. Wilson’s vai entrar
no século 21. O que quer dizer? Comprei um software novo. Não fui eu, foi o Jason. Foi o Jason,
e o Jason vai instalá-lo também. Jason? Ele não virá até aqui
do trabalho dele em Wall Street só para instalar
nosso pequeno software. Ele ligou, disse que tinha
um pouco de tempo livre. Esta vindo para casa. -Oi, Christine. Podemos falar?
-Oi, Ed, claro. -É difícil falar com você.
-Eu sei. Tem sido difícil
com as crianças, o trabalho, e o Natal está chegando.
Andei muito ocupada. Muito ocupada
para pagar o seu aluguel? Sei que estou te devendo
e vou pagar assim que puder. -Os últimos dois meses?
-Com certeza. Preciso que pague
na semana que vem ou vou ter que despejá-la. É Natal. Ed, eu tenho dois filhos.
Faço tudo o que posso. Vou te pagar
assim que tiver. Não tem como, Christine.
Não sou uma obra de caridade. Você já sabe
como me encontrar. Ótimo. Gostou? Mãe! Adivinhe!
O papai está aqui. Já vi. Onde está a Allie? Não veio. Eu liguei para você, mãe,
mas você não atendeu. Eu sei, amor. Meu celular
ficou sem bateria, desculpe. Sinto muito
se você se assustou. Vim para cá
o mais rápido que pude. O dono esteve aqui. Algo sobre o aluguel.
Precisa de uma mão com isso? Você está bem, Christine.
Está fazendo exercício? Mãe! Olhe o que o papai
trouxe para mim. Nossa! Que legal! Eu ganhei
um jogo de pinturas. -É?
-Nossa! Massa! Macarrão com queijo.
Sorvete. Eba! Podem subir para o seu quarto
para o papai e eu conversarmos? O papai acabou de chegar. Eu sei, amor, mas… Eu levo sorvete para vocês.
Está bem? Uma xícara e um terço
para cada um, mamãe. Lembra? -Está bem.
-Tchau, papai. Vamos. Você não deve fazer
visitas não programadas. -As crianças estavam sozinhas.
-Não devia ser assim. Sinto falta de ver mais
meus filhos. Então por que os deixou? Foi por causa da Rachel
ou Deirdre? Espere… Kelly. -Como se chamava?
-Nós! Nós não nos dávamos bem. Eu tentei durante muito tempo,
Brad. Se quiser ver as crianças e quiser passar mais tempo
com o Zach e a Haley, me ajude. Preciso
da pensão alimentícia! Foi a segunda vez que o Zach
precisou ligar para mim. -Não deve deixá-los sozinhos.
-Vá embora. Por favor, vá. Por que era tão importante
se mudar para cá? -Por que para Wilsonville?
-Eu sinto uma conexão aqui. Eu levei meia hora
para chegar aqui. Não é bom em uma emergência. Por favor, vá embora.
Por favor. Feliz Natal, Christine. -O que é?
-É um relicário, do seu pai. -É uma estrela, mamãe.
-A Estrela Polar. Seu pai disse que,
enquanto seguir essa estrela, nunca se perderá. Não importa o quanto as coisas
fiquem difíceis na vida, a estrela nos mostra
que sempre existe uma saída. Enquanto a estrela brilhar,
há esperança. Como estão, garotos? Vejo vocês depois.
Vão voltar? Bom, Marshall. Feche seus olhos. Você pode adivinhar uma vez. É um dos seus pecaminosos
bolinhos de canela. Espere. Com aquela coisa pegajosa
e enjoativa em cima! Betty! Sim! Preciso desse bolinho. Quando vai criar
aquele time de novo? Não sei.
Estou muito velho e cansado. Todas as crianças daqui
compram roupa esportiva de você e você não patrocina mais
um time de liga infantil? Nós precisamos de mais times
para sermos competitivos. Os Bombardeiros da Betty
querem seu time de volta. Vou pensar nisso, Betty. A temporada de beisebol vai
chegar antes de você perceber. Pegue. Vamos lá, Marshall.
Vai fazer isso? Acho que você acabou de me tirar
uma semana de vida. Obrigado, Betty. Marshall! Marshall! Nosso inventário é uma desordem.
Você sabe. Acabaram de ligar
e há um envio de toalhas de mesa e faz uma semana
que estão lá. Só estou tentando
deixar você alerta. -Vovô!
-Aqui está! Oi, bonito. O que é isto? Só estou tentando
sacudir as coisas um pouco. O Marshall gosta. -Ficou bom.
-Obrigada. Eu trouxe o software
que você pediu. -Quando pode instalar?
-Já está pronto. E tenho um laptop novo
para vocês. Agora podem
controlar o inventário. Está bem? Muito bem! Obrigada. Vou buscar aquelas toalhas. -A gente se vê.
-Tchau. Meu Deus!
Que bom ver você! Você alegra a minha vista! Como conseguiu folga
do trabalho? Fui despedido. Fizeram corte de pessoal. O mundo é brutal. O lar e a família
são um refúgio seguro. Depois de terminar de instalar
o que estiver instalando, posso colocar você
no salão de vendas. Eu não posso ficar
muito tempo, vovô. Estou tentando conseguir
entrevistas de trabalho. Papai está tentando
uma entrevista com um grande banco
internacional. Está bem.
Nós apoiamos você. Sei que está aqui
por pouco tempo, mas seria muito importante
para mim se você pudesse ajudar, se tiver tempo,
como fez no colégio. Claro, vovô. Mamãe, estou voando! Haley, ponha o cinto
de segurança de novo. Mamãe, sabe de uma coisa? Ontem na escola,
minha professora me ensinou que, se eu, você e a Haley tomarmos duas xícaras de sorvete
cada um, são um litro e meio. -Nossa! Que bom!
-Podemos? -Mamãe, o que aconteceu?
-Meu Deus! Fiquem no carro. Zach, ligue para o 911! Moça, está me ouvindo?
Está bem? Consegue falar? Vamos, vamos. Vamos sair. Vou deitá-la. Pronto. Pronto, pronto. Senhora? Senhora?
Não, não. Fique comigo. Meu nome é Christine.
Não, não, fique comigo. O que eu faço,
o que eu faço? Fique comigo. Por favor, diga que todos
vão ficar bem. Consegue me ouvir? Fique comigo. Vai ficar bem. A ambulância está vindo. Você a conhece? Não, a encontrei
caída no carro. Vamos procurar informação
pessoal na bolsa dela. -Teve um ataque cardíaco?
-Sim. Vamos cuidar disso. Está bem. -Estão bem?
-Mamãe, o que aconteceu? Aquela senhora
estava muito doente, mas como você fez uma prece
e ligou para o 911, um trabalho incrível,
acho que ela vai ficar bem. -Eu estava assustada.
-Eu sei, eu também. Eu não. -Ligaram do seu trabalho.
-Droga! Entrem no carro.
Me desculpe. Oi. Uma mulher teve um ataque
cardíaco. Eu sei, já vou. Diga a Rod que já vou. Eu posso explicar. Não quero escutar. Uma mulher teve
um ataque cardíaco. Sempre acontece alguma coisa
com você, Christine. As crianças, o carro… Rod, não estou inventando.
Ela teve um ataque cardíaco. Bateu o carro
perto da minha casa. O que eu devia fazer?
Deixá-la lá? Seu cheque de demissão
estará pronto amanhã. Devolva seu uniforme
quando o recolher. Não pode fazer isso comigo. É Natal! Os pedidos! -Desculpe.
-Tenha cuidado. -Sinto muito.
-Espere, espere. Você está bem? Sim. Sim, obrigada. Não, não!
Onde está o relicário? Não!
O que vou fazer? Christine? -Você é Christine Eisley?
-Sim. Seu ex-marido pediu a guarda
das crianças para o tribunal. O quê? Obviamente não é o momento
de ter esta conversa. Passo na sua casa
mais tarde? Meu nome é Patrícia Addison.
Sou de Serviços Familiares. Aqui está o meu cartão. Como ela está? Vai ficar bem.
Conseguimos estabilizá-la, mas com certeza
foi um ataque cardíaco. Vai ficar um tempo aqui. O que podemos fazer? Temos que mantê-la tranquila.
Ela tem muita sorte. Se aquela moça
não tivesse feito RCP, nós a teríamos perdido. -Podemos vê-la?
-Sim, mas só uns minutos. Judy. Judy? Não sou bom com os sentimentos,
mas quero que você saiba… que estes últimos cinco anos
foram os melhores da minha vida. Vou ser sincero, não tinha
certeza de que fosse dar certo. Depois de perder a Vivian, pensei que nunca mais
me casaria. Não sei
o que faria sem você. Estou me arriscando. Me casar com você
deve ter sido uma das coisas mais inteligentes
que eu fiz na minha vida. Não a mais inteligente? Como assim que você
está se arriscando? Você estava acordada
o tempo todo, escutando? Você nem estava chorando. Que truque sujo! Eu quase tenho que esticar
as canelas antes de escutar algo pegajoso e enjoativo
da sua parte. Como está se sentindo? O vovô e eu
estávamos muito preocupados. Que bom! -Quero sair daqui.
-Você não vai a lugar nenhum. -Deve ficar tranquila.
-Não. Quero encontrar a moça
que salvou a minha vida. Espere. Vou procurá-la.
Como ela se chama? Christine. Os paramédicos disseram
que o nome dela era Christine. E trabalha… no Patterson’s. Eu cuido disso. Vovô, venho buscar você
mais tarde. Aproveite. -Oi, Joe.
-Oi, Jason. Com licença. Aqui trabalha uma pessoa
chamada Christine? Não. Ela salvou uma mulher
que teve uma parada cardíaca. Eu queria agradecer a ela. Não. Sinto muito.
Gostaria de poder ajudar. Não tem nenhuma
Christine aqui. Bom, Rosemary, faça a sua magia
e não seja mesquinha. Ninguém cuida do peso
quando come um destes. Eu, mesquinha? Sou a rainha da cobertura. Oi. Você se apresentou para
trabalhar no restaurante errado. Eu não trabalho lá. Deixe-me adivinhar.
O Rod veio com a ladainha: “Eu também tenho
que alimentar os meus filhos”? Como você sabe? Duas das minhas garotas
são veteranas do Patterson’s. Aposto que ele não te contou
que os filhos saíram de casa. O de sempre, John? Despedir gente é uma demonstração de poder
para alguns. É, péssima época do ano
para ficar sem trabalhar. Você não é daqui, não é? Não. Mudei para cá
faz uns quatro meses. Meu marido foi embora,
tinha que cuidar das crianças. Querida… você está no lugar certo. Esta cidade
foi um novo começo para muitos de nós. Você tem clientes.
Desculpe tirar o seu tempo. Pode me dar duas bolachas
com chocolate? -Claro.
-Obrigada. Muitos clientes… e falta de ajuda.
O problema é esse. Você acha que estão
contratando aqui? Eu sei que sim.
Sou a Betty. Betty, a chefe. Pegue, experimente isto. Nós colocamos limões e cranberry
para as festas. Têm um sabor tão bom
que você quer beijar a sua mãe. Não faço ideia do que significa,
mas minha mãe sempre dizia isso. Pode começar amanhã.
É possível? Sim! Sim, claro que eu posso!
Obrigada. Normalmente gosto de saber
o nome dos meus empregados. -Desculpe. Sou Christine Eisley.
-Está bem, Christine. Obrigada. A gente se vê amanhã.
Está bem. Já vai! -Oi.
-Oi. É um bom momento? -Sim, entre.
-Ótimo, obrigada. Claro. As crianças
estão lá em cima. -Quer uma xícara de café?
-Não, estou bem. Está bem. Desculpe pela minha casa. Parece que nunca
há tempo suficiente. Não se preocupe. Minha casa
também vive desarrumada. Bom. Seu nome legal
é Ângela Christine Eisley? É. A maioria das pessoas
me chama só de Christine. Seu ex-marido
fez acusações contra você. Meu trabalho
é avaliar essas afirmações. Ele diz que você não pode
pagar o aluguel e agora perdeu
o seu trabalho. Aconteceu hoje,
fui despedida por chegar tarde. Uma mulher
teve um ataque cardíaco, e eu a estava ajudando. Eu não deixaria alguém morrer
para salvar o meu emprego. Para que fique registrado,
você não tem emprego? Na verdade,
você acredita em milagres? Consegui outro trabalho
em uma hora. Eu trabalho na padaria Betty
e começo amanhã. Seu ex também disse que
as crianças ficam sozinhas aqui ou estão sob a supervisão
de uma adolescente. Só aconteceu duas vezes, a babá
não veio, não sei por quê. As crianças voltam para casa
todos os dias da escola, que fica aqui perto. Entende que são muito pequenos
para ficarem sozinhos aqui? Sim, não tive opção.
O Zach é muito responsável. Temos programas para ajudar
se estiver em problemas. Avisaram em cima da hora. O pai deles podia
ter cuidado deles? Se quiser alguém responsável,
com certeza não é o Brad. Faz seis meses que ele não
me paga a pensão alimentícia. -Você apresentou queixa?
-Sim. Mesmo assim ele não paga. Você tem duas semanas para apresentar uma resposta
perante o tribunal. -Não posso pagar um advogado.
-Posso ajudá-la com isso. Está bem. O que vai acontecer? Não sei. Mas acredito em milagres. Queremos
que algumas das bonecas fiquem de frente
uma para a outra. Com licença. É o Jason. Meu pai disse que ligaria. Isso não é problema.
Posso fazer isso por você. Não se preocupe.
Farei o que for preciso. Ótimo.
Falaremos em breve. Nossa! Está muito melhor. A propósito, regras da loja. Nada de telefones celulares
enquanto estiver no salão. Desculpe, vovô. Meu pai organizou uma entrevista
em Nova York para mim. Serviços financeiros.
Poderia ser uma grande mudança. É isso que você quer fazer? Sim. É uma área promissora. Meu pai disse que você deve ir
aonde as oportunidades estão. Por isso peguei aquele trabalho
de engenharia em São Francisco. Seu pai nunca foi
um homem de cidade pequena. Na verdade, você não queria
ir para a cidade com seus pais. Queria terminar o colégio aqui.
Talvez você seja diferente. Ele gosta que eu compita
no mundo corporativo. Tenho certeza de que está
muito orgulhoso de você, mas não quero que um dia
você olhe para trás e pense que fez uma carreira
em Nova York para fazer o seu pai feliz. Só quero decidir
o que vem depois. É isso que eu quero, vovô. É, sei que não é fácil. Tenho uma ideia. Vá lá fora, tome um pouco de ar
e pense nisso. Nunca se sabe
o que a vida vai te trazer. Está bem. Já que vai lá fora, vá até a padaria da Betty
e traga um bolinho de canela. A Rosemary põe uma cobertura
pela qual vale a pena morrer. Tem certeza de que isso
é bom para você? Traga dois. Judy estava perguntando de novo
sobre aquela moça Christine. Estou vendo isso. Mantendo-se aquecido? -Pegue.
-Desculpe-me. Use o da Rosemary
até que consiga um para você. -Eles são personalizados.
-É? Muito obrigada. Não faz ideia
de como está me ajudando. -Está bem. Sinto muito.
-Mais devagar, mais devagar. Não é uma corrida. Meu pão! Aqui. Obrigada. Oi. Está me seguindo?
Você está me seguindo, não é? O quê? Não, não. Eu a vi por aí, e… Você não engana ninguém. O Brad o contratou
para me seguir, eu entendo. -O que você quer?
-Brad? Não. Só vim buscar
alguns bolinhos de canela. É mesmo? Você não pode levá-los. O que acha? Diga para você sabe quem
vir buscá-los sozinho. Betty, um sujeito
que veio aqui… estava na frente do Patterson’s
quando o Rod me despediu, e depois estava na praça,
me observando. Pouco depois, estava falando
no celular, me seguindo. Acho que o meu ex
o contratou como espião. Como ele é? É alto, com cabelo castanho, olhos cor azul profundo,
com um sorriso incrível. Parece perigoso. Esses e esses. Os outros dois parecem
da Terra dos Doces. -Está bem. Que tal se…?
-Estou entediada. Estou tão entediada
que estou ficando louca. Estão me ouvindo? Ninguém que esteja doente
pode ficar tão irritado. Calma! -Você tem que voltar à loja.
-Já controlei tudo. Não. Esta época é a mais ocupada
para nós, Marshall. Já controlei tudo. É só isso que você pode comer,
por enquanto. Iogurte? Isso não é comida
de verdade. Se vai ser assim
o resto da vida, dá no mesmo morrer agora. Como vai o software? O vovô e eu vamos começar
a trabalhar nisso hoje. Deve estar pronto
quando eu for embora. Marshall,
pode perguntar para a enfermeira se eu posso comer torradas? Não posso comer isto.
Isto não é comida de verdade. Estou morrendo de fome. Torrada? Sim. Jason. Jason. Sei que você quer voltar
para Nova York, mas, comigo aqui,
seu avô precisa de ajuda. Queria saber
se você poderia… Se poderia… Sim. Claro. Está bem. O que está fazendo aqui parado
me vendo envelhecer? Vá embora.
Espere, espere, querido. Venha aqui, Jason. O melhor presente de Natal
que eu poderia ter seria olhar nos olhos
da Christine e agradecer
por salvar minha vida. Se ela não trabalha
no Patterson’s, trabalha em outro lugar. -Encontre-a.
-Não se preocupe. Vou encontrar. Eu tenho que fazer
tudo sozinha? Você. Você. Você faz as mãos? Não, estou procurando
uma pessoa. Não sou o homem que você
pensa que sou, Rosemary. Não sou a garota
que você acha que sou. Ficaria chocado em conhecer
a verdadeira Rosemary. Eu moro em Nova York,
por isso nada me surpreende. Olhe, sou dos bons. Posso te dar
referências pessoais, como minha mãe, meu avô… minha manicure. A gente se vê. Percorri toda a Main Street.
Acho que essa garota não existe. Se existir,
deve ter ido embora da cidade. E a entrevista? Eu irei. É banco internacional,
já fiz isso antes. Acho que vai ser bom. Encontrei a tal Rosemary
da padaria. Não a entendo.
É muito misteriosa. Misteriosa? A Rosemary?
Você está louco. E aqueles garotos? São futuros donos
de cartão de crédito. -Oi.
-Oi. Garotos, posso ajudá-los? Gostei das bonecas
que estão na vitrine. É a coleção de bonecas
Sweet Tuesday. Uma vendedora te mostrará
o que temos no estoque. Do que você gosta? -De beisebol.
-Beisebol. Eu adoro beisebol. Me chamavam de “Pegada”
no colégio. “Pegada”? Sim, ganhei um jogo incrível
com uma jogada tripla. Sim, foi maravilhoso. Venha comigo. Você parece um catcher. Vamos experimentar isto. Ponha sua cabeça aí. Nossa! Ficou demais. -É mesmo?
-Sim. O catcher é um dos jogadores
mais importantes do time. Um lançador não lança direito
sem ajuda do seu catcher. Vire-se.
Abaixe-se. Sim, bem. Incline-se sobre os calcanhares.
O importante é o equilíbrio. Está preparado? Pegou bem! -Já jogou alguma vez?
-Um pouco. Foi o que pensei.
Você tem bons instintos. A Liga Infantil
começa na primavera. Posso voltar alguma vez,
e você pode me ensinar mais? Sim, claro. Você tem nome? Sou Zach.
E ela é a Haley. Eu tenho que ir.
Vamos, Haley. A mamãe não gosta
que a gente chegue tarde. Lindas crianças.
Compraram alguma coisa? Não. Vovô, você precisa
de um website. Por quê? É o futuro. O que são todas essas
lembranças esportivas? Eu era uma mãe do esporte! Carregava meu filho Dennis
e seus amigos, eu os levava para o treino, ia aos jogos,
torcia até ficar rouca. Eram épocas incríveis. E você? Por que se mudou
para Wilsonville? São mais aqueles que saem
do que aqueles que chegam. Eu nunca conheci o meu pai, mas a minha mãe disse que ele
era de um lugar por aqui. Quando o Brad e eu
nos separamos, não tinha outro lugar
para onde ir, então peguei as crianças
e aqui estamos. Devo dizer
que parece mais um lar do que qualquer outro lugar
onde já vivi. Qual era o nome do seu pai?
Talvez eu conheça a família. Só “papai”. Minha mãe morreu
quando eu era pequena e nunca me disse
o nome dele. Mas ela me disse
que era o amor da vida dela. Mamãe! Mamãe! Vi tudo o que quero de Natal,
nesta rua! É? -Ótimo.
-Que crianças lindas! Oi, eu sou a Betty. -Apresentem-se.
-Oi, eu sou o Zach. -Muito prazer em conhecê-la.
-E eu sou a Haley. Muito prazer em conhecê-la
também. Onde você viu
as coisas que queria? Na Wilson’s. Veja todas estas coisas
de beisebol! Nossa! -Você gosta de beisebol?
-Acho que quero ser catcher. Um catcher? Era a função do meu filho. E, por essa resposta
perfeita, você ganhou um boné
dos Bombardeiros da Betty. Crianças, vão se lavar.
Vou começar a fazer o jantar. Mamãe? Mamãe? Quero jogar na Liga Infantil
nesta primavera. -O Pegada acha que sou bom.
-Quem é “Pegada”? O cara que trabalha na Wilson’s.
Ele é demais. -Sabe tudo sobre beisebol.
-É mesmo? -Então, posso?
-Vamos falar sobre isso depois. AVISO DE DESPEJO O que foi, mamãe? Nada. Vamos comer marshmallows
com chocolate quente. Eba! Despejo no Natal? Talvez consiga mais um emprego
nos fins de semana… Por favor,
aguente mais um pouco. -Oi, Jason.
-Oi, George. Pode me dar um café com creme
para levar? Por que não consigo
me livrar de você? O Brad não é um bom sujeito.
Não sei por que você o ajuda. Eu me sinto como um disco
riscado. Quem é Brad? Qual é! Foi o Brad que contratou
você para me espiar. Escutei sua ligação
por telefone. Ouviu errado. Aquela ligação foi
por uma entrevista de trabalho. Não conheço o Brad. Já falei, Rosemary.
Não sou esse sujeito. Meu nome… O quê? Nada. Outro pacote? Sou guloso. Dois bolinhos de canela
para levar, por favor. Você gosta de beisebol? Não, não gosto muito
de esporte. Vou te dar um conselho. Se quiser sobreviver
neste lugar, tem que aprender
os nomes e estatísticas dos jogadores de colégio. Está vendo aquele sujeito,
o de chapéu? Aquele é George Jarvis,
shortstop no Colégio Wilson. Ele jogou com meu pai
e ganharam o campeonato estadual quando Jarvis tacou um homerun
no final do nono. Wilsonville é assim. Aqui as pessoas se sentem
conectadas. Só isso? Avise-me se precisar
de treinamento. Oi, Pegada. Oi, Zach, como vai? Estamos sendo despejados. Posso dar uma olhada? Sim, claro. Espere, eu já volto. Tenho uma coisa para você. Quero que segure isto assim. Ponha seus dedos em cima
das costuras. Isso. Bom trabalho. Jogue para cima algumas vezes,
sinta-a. Isso mesmo. Um jogador de beisebol deve
se sentir à vontade com a bola. Leve-a para casa
e treine com ela. Está bem. Obrigado. -Eu tenho que ir.
-Durma com ela, se precisar. Já falei que eu adoro
árvores de Natal? Demais! -Nossa!
-Obrigada. Bom. -Vamos ver os brinquedos.
-Está bem. Fiquem por perto.
Não vão muito longe. Está bem. Essa é a boneca
que eu quero! Falei com o Brad e informei
que você tem um trabalho novo. Ele também disse que não tinha
ninguém espiando você. Talvez eu tenha exagerado. O interesse principal
do tribunal é o bem-estar das crianças. -Obviamente, você é uma boa mãe.
-Espero que sim. Quando for ao tribunal,
certifique-se de ter a maior quantidade possível
de documentos de apoio. Peça para a Betty te dar
uma carta de referência. Leve também
seu imposto de renda e todos os registros
de empregos anteriores. Não posso perder
os meus filhos. Milagres. Lembra? -O que está olhando, amor?
-É o que eu quero, mamãe. Olhe para ela. Não é linda? Eu amo o Natal.
Os aromas, as lembranças. Estou procurando
bolo de maçã. Já fechamos. Não estou ouvindo
e não irei embora! Deixe-a entrar. Pensei que morreria de fome. Christine, apresento
a minha velha amiga, Glory. -Glory, Christine.
-Oi. Oi. A Glory vem buscar
cupcakes amanhecidos. E por acaso, dirige
a melhor creche de Wilsonville. É mesmo? Estou procurando
um lugar para mandar meus filhos no feriado do Natal. Querida, desculpe,
mas estamos cheios. Bom, vou continuar
procurando. Christine, pode me trazer
um saco de açúcar lá de baixo? -Claro.
-Obrigada. Arranje um lugar
para os filhos dela. Você está me pressionando! Vou me sentar em cima de você
se não a ajudar. Betty… Você acha que sou tão fácil? Conheço você desde o colégio.
Sei o que é “fácil” para você. Sim, e me casei com ele. -Oi.
-Oi. -Meu carro não quer pegar.
-Eu escutei. Posso ajudar? -Claro. Obrigada.
-Levante o capô. Acho que te devo
uma desculpa. Só uma? Por que você continua
vindo à padaria? Meu avô adora
seus bolinhos de canela. Parece que não pode
viver sem eles. É mesmo? Nossa! Quando as coisas vão mal,
vão mal todas ao mesmo tempo. Como está? Tente de novo. O que o marcador de combustível
está mostrando? Um quarto de tanque. Acho que seu marcador
está falhando. Você está sem combustível. Ótimo.
Justamente o que precisava. Vou até o posto de gasolina
e buscar alguns galões. Eu levo você. -Sim…
-Olhe. Se procurar por mim no Google,
vai dizer: “Jason, confiável,
bom atleta no colégio, cambaleou um pouco
depois da formatura, viu a luz na universidade,
trabalhou duro, recentemente despedido,
mas não foi culpa dele, ainda um pouco confuso
sobre o que fazer da vida.” -Isso parece muito sincero.
-Pode ser minha única chance. Está bem. Viu? -Sim.
-Aquela é a Ursa Menor. Sabia que aquela estrela
no extremo é a Estrela Polar? Quando era pequeno,
meu avô me levava até o lago e deitávamos em cima
do capô do carro, olhávamos
para o céu noturno, e ele dizia: “Jason, se um dia
você se perder no bosque… as estrelas o guiarão
para casa. Se você seguir esta estrela,
jamais se perderá.” -Está tudo bem?
-Sim. Outra pessoa na minha vida
me falava sobre a Estrela Polar. Como você chegou
a Wilsonville? Para resumir a história, minha mãe conheceu um cara
no último verão na universidade, em Boston, se apaixonaram,
e ele é o meu pai. Nunca o conheci, mas sei que é
desta região, então aqui estou. Eu tenho dois filhos. Está bem. Só… -É aí que o Brad entra.
-Sim, sim. Não mais. Quer tomar
uma xícara de café? Adoraria, tenho meia hora. Vou buscar o meu carro. -Vejo você no Café Bailey’s.
-Está bem. Obrigada. -A gente se vê daqui a pouco.
-Até daqui a pouco. Você está muito melhor. Diga para a sua mãe
que o ajudei com suas tarefas. Está bem. Veja, eu voo
como um pássaro! Chega, Haley!
Não consigo pensar. Veja, estou voando
como um pássaro! Haley! Haley! Haley? Haley! O que aconteceu?
Você está bem? Haley! Vá buscar um cobertor. Não se preocupe,
vai ficar tudo bem. Chame uma ambulância. Chamando o dr. Benson.
Dr. Benson para o quarto 202. -Mamãe! Eu sinto muito.
-Você quase me matou de susto. A culpa é minha. Não. Que bom que você estava lá
para trazê-la para o hospital. Não fui eu. -Quem foi?
-Ela. Srta. Meredith, obrigada. Pode me chamar de Dolly. Estava olhando pela janela quando seu docinho
subiu na grade. Ia dizer a ela para descer,
quando ela caiu. Meu Deus! Eu era enfermeira,
então sabia que podia ajudar. Ela estava muito assustada. Sinto muito que não tenhamos
conversado. Admito que sou um pouco tímida.
Não gosto de me intrometer. Tento olhar as crianças, principalmente
se vai buscar algo. Acho que sempre estou
por aí. Acho que foi assim que ganhei
meu apelido, a Dama Morcego. Conforme passam os dias
aumenta a ternura amo você da cabeça aos pés você faz com que os dias
sejam encantadores e lindos por você, a vida brilha Como vai o seu galo? Não toque nele! -Quer alguma coisa para comer?
-Não, não estou com fome. Papai! Oi, amigo! -A Haley levou uma boa batida.
-Sim. -Oi, bebê. Você está bem?
-Está doendo, papai. Sim, você levou um tombo. -Quem estava com você?
-A Allie. Allie? A babá? Posso falar com você
um pouco? Claro. Você cometeu um erro, Christine.
Um grande erro. Deixou nossos filhos com uma
jovem irresponsável. De novo. -Que bom!
-Ela não é irresponsável. -Foi um acidente.
-Um acidente. Não teria acontecido
se a mãe estivesse em casa, sendo mãe. Brad, você nunca prestou atenção
no Zach e na Haley até irmos embora da cidade.
E tudo isso que você diz, de tirar as crianças de mim,
não é porque as ama. Você está zangado comigo
e está tentando me magoar. Não vou deixar de ser
o pai deles, entendeu? Você tem um jeito maravilhoso
de mostrar paternidade. Quer falar
sobre responsabilidade paterna? Porque o que você fez esta noite
vai mudar as coisas. Vou denunciar você
para Serviços Familiares. Acho que sabemos
o que eles farão. Você também tem duas falhas.
Uma, abandonou os seus filhos, e dois, não me pagou
nem um centavo. Por que não me fala
sobre responsabilidade paterna? Vai ficar tudo bem.
Que bom que está aqui. Liguei para você no caminho.
Pensei que devia saber disto. Christine me ligou há 2 horas,
logo depois do acidente. Sei que a Christine
tem boas intenções, mas se confunde facilmente. Com licença. Crianças, contas,
trabalhos… Acho que ter a guarda
das crianças é demais para ela. Bem, isso é o tribunal
que vai decidir. Claro. Obrigada por ter sido
tão valente hoje. Pensei que a Haley
tivesse se machucado muito. É… Você é um bom irmão
mais velho. Vou ficar contente
quando ela voltar para casa. Eu também. Que pena que o papai
ficou tão zangado com você. Querido, acho que ele
não queria ficar zangado. Acho que talvez
tenha muitas preocupações. Não.
Mamãe, você não lembra? O papai ficava zangado
o tempo todo. Fico contente que você
seja a minha mãe. Eu também. Você não é um pouco jovem
para ficar sozinha no hospital? Minha mãe está trabalhando. Ela virá mais tarde
para me levar para casa. Estou ansiosa
para sair daqui. Sim. Eu também. Não precisa disso? Está brincando? Fazem você usar essas coisas
para que pense: “Devo ter
alguma coisa ruim.” E aí, você gasta
mais dinheiro. Estou pensando em fugir. Fugir?
Não vai se meter em problemas? Querida, vou te contar o segredo
de viver uma vida mais longa. Parte da maior diversão
que você terá na sua vida vem de fazer coisas
que a meterão em problemas. -É mesmo?
-É verdade. Pensando bem, não conte
para ninguém que te disse isso. -No que está trabalhando?
-Em soletrar. Isso é lindo. Sim, não é? Apareceu do nada. Como assim? A enfermeira o encontrou
nas minhas coisas, quando me trouxeram
para o hospital. É um relicário, sem chave. De onde saiu? Acho que talvez
um anjo me deu. Nossa! Sim. Gostaria de ficar com ele? -É mesmo?
-Sim, claro. Alguém me deu
quando precisava de ajuda. Então eu gostaria
de passá-lo para você. Mas você tem que me prometer
uma coisa. -O quê?
-Que vai passar a outra pessoa que precise de ajuda. -Eu prometo.
-Promete de verdade? Prometo. Está bem. Prontinho. Veja isso! Que lindo! Oi. -Oi.
-Você me deixou plantado. Desculpe, não teve jeito. Minha filha caiu e a levaram
de urgência para o hospital. Sinto muito.
Ela está bem? Sim, está bem, obrigada. As coisas se complicaram. Sinto muito. Obrigada. Quer tentar de novo? Sim. Gostaria muito.
Amanhã? Sim, tenho uma folga de uma hora
amanhã ao meio-dia. Ótimo.
Vejo você no Bailey’s. Está bem. Está bem. O que foi? Encontrei isto no porão. Você e Judy estão
modernizando a loja, mas não precisamos
perder as origens. Você é esta comunidade,
não vamos esquecer isso. Sinto muito, vovô.
O que está pensando? Não, não, não.
Vá em frente. Eu gosto que você
se interesse por esta loja. Não, eu adoro isso.
Continue assim. Acontece que meu assediador
não é um assediador, só gosta
dos bolinhos de canela. Parece muito legal. E então? E… Temos um encontro. Aleluia! Aleluia! Conte-me mais
sobre o Dennis. -Dennis?
-Sim. O Dennis amava os esportes,
mas realmente amava o mar. Não conseguia
ficar fora da água. Pescar, vida ao ar livre. Ele conseguiu trabalho
em um barco de caranguejos. Há muitas histórias
para contar. Era bonito, não é? Claro que sim. Aposto que teve muitas namoradas
no colégio. Sim, teve. O problema
é que ele não se decidia. Mas, quando decidia,
era leal. Isso é bom.
Não se encontra todos os dias. Antes do acidente, ele me ligou
de um telefone público do cais. Que acidente? Querida, o Dennis morreu. Houve uma tempestade terrível
e o barco dele afundou. Não! Acho que ele estava
apaixonado. Ele disse: “Mãe, tenho uma
ótima surpresa para você, mas vou esperar chegar em casa
para te contar pessoalmente.” Acho que eram boas notícias. Mas eu nunca as recebi. Falando de boas notícias. Além de ter
um trabalho incrível, com a melhor chefe
do mundo, você também tem
uma creche incrível para levar seus filhos. É mesmo? Eu entrei na Glory? A Glory encontrou lugar
e vem com uma bolsa. É mesmo? Não sei o que dizer. Não derrame essas lágrimas
na minha cobertura. Estamos fazendo bolachas
de Natal, não pretzels. Eu gosto do hospital.
Todos são muito gentis comigo. Que bom! O que é isto? Haley, onde você
conseguiu isto? -Uma senhora gentil me deu.
-Que senhora? Ela veio ao meu quarto. Disse que um anjo
deu para ela. Querida, este é o meu relicário.
A minha mãe me deu. Eu nunca vi você usando. Eu sei, sempre tive
medo de perdê-lo. E o perdi. E agora está aqui,
você está com ele. Então você deve ficar
com ele de novo. Não, querida, acho que você
deve ficar com ele. Não posso, mamãe.
Eu fiz uma promessa. Você fez uma promessa?
Que promessa? Prometi para a velhinha
que daria o relicário para alguém que precisa de ajuda
mais do que eu. Obrigada. Você é uma menina muito boa. Ponha seu gorro e suas luvas.
Vou falar com a enfermeira. Tenho um pouco de dinheiro
e contratei um advogado esperto. Sei que você
está sendo despejada. Quero meus filhos de volta. Vovô, precisam de você
lá em cima. Nunca me deixam em paz. A Judy disse que você parou
de procurar a Christine. Não.
Não pode ser encontrada. Mas admito
que me distraí um pouco. Conheci uma garota.
Vamos almoçar juntos hoje. Que bom para você! Não se preocupe,
já vamos encontrá-la. E a minha entrevista
em Nova York foi confirmada, por isso talvez
deva cancelar o almoço. Não tomar uma decisão
continua sendo uma decisão. Não sei o que fazer. Você tem que decidir para que as consequências
sejam suas. Você tem razão, vovô.
Irei à entrevista. Está bem. É bom tomar decisões, não é? Sim. Sim. Mas se conseguir este trabalho,
talvez não volte no Natal. Eu sei. Pode fazer uma entrega
antes de ir? Sim, claro. É no Glory’s Place, uma creche
na fronteira da cidade. Damos tudo o que podemos
para ajudar. Mandarei lembranças suas
para a Judy. Siga o seu sonho. Este lugar está muito lindo. Não quero ir a uma creche.
Não sou um bebê como a Haley. Cale a boca, Zach! Não fale assim com o seu irmão,
Haley. Vocês podem se divertir.
Talvez façam novos amigos. Eu já tenho amigos. Escute. Não posso continuar
pagando uma babá. Temos que começar
a economizar dinheiro. -Vamos, vamos!
-Está bem. Somos uma família, certo?
Na alegria e na tristeza. Que tal decorarmos a árvore
de Natal esta noite? -Sim!
-Está bem. Entre. Sente-se naquela cadeira. Oi, Pegada! -Não sabia que trabalhava aqui.
-Oi, Zach. Não trabalho aqui.
Só estou fazendo uma entrega. Não vai ficar? Sabe de uma coisa?
Vamos treinar. Glory, posso sair com o Zach
para lançar a bola um pouco? Claro. Está fazendo
todas as tarefas da escola? Lembre,
se quiser jogar num time, tem que fazer sua tarefa. Está bem. Não esqueça, deixe seus dedos em cima
da bola, não a palma. Lance a bola para mim,
não tenha medo. Tente me derrubar.
Vamos! Amigo! Minha mão está adormecida.
Foi incrível. Bom trabalho. -Continue trabalhando nisso.
-Está bem. -Está tudo bem em casa?
-Acho que sim. Posso ajudar em algo? Sim, treine-me
na Liga Infantil. Não sei, Zach. Talvez não esteja aqui depois
do Natal. Moro em Nova York. Estou voltando
para lá agora. Mas, se voltar, virei por aqui
e jogaremos. -Combinado?
-Combinado. Está bem. Padaria da Betty. -A Rosemary está?
-Não pode atender o telefone. Quer deixar um recado? Sim. Sou amigo dela. Pode avisá-la que não posso ir
ao nosso encontro para almoçar? Surgiu um imprevisto.
Tenho que ir a Nova York. Diga que sinto muito. Estava ansioso para vê-la,
mas tenho uma entrevista. Eu ligo para ela
assim que voltar. Está bem, eu digo. -Rosemary?
-Sim? -Ainda está casada com o Floyd?
-Sim. Dez longos anos. Por quê? Seu namorado ligou. Disse que não pode ir
ao encontro para almoçar. O quê? Nossa! Você fez um bom trabalho.
Como vai, reverendo? -Acredita no tamanho deles?
-Eu sei! Não, estou bem, obrigada. Passando. Você quase pegou. Quase peguei. -Pegue, pegue!
-Bom lançamento. Passarinha, onde está
o passarinho que você fez? Aqui está! Mamãe! Adorei.
Pode colocá-lo na árvore? Sim. -Mamãe, veja isto.
-Que incrível! Maravilhoso. Tenho que fazer
a tarefa de matemática. Prometi para o Pegada. O Pegada de novo. -Onde você o viu desta vez?
-Na Glory. Ele me disse que não podia
jogar na Liga Infantil se não fizesse todas
as minhas tarefas. É mesmo? Tenho que conhecer
esse cara. Podem se sentar
antes de sair? Quero falar uma coisa
para vocês. Quando o Natal passar, teremos que encontrar
outro lugar para morar, um lugar não tão grande e caro
quanto esta casa. -Mas nós sempre nos mudamos.
-Eu sei, amor. Também quer dizer que talvez
o Papai Noel não traga tudo o que pediram este ano,
porque pedirá para seus duendes trabalharem mais
no ano que vem. Está bem, mamãe. Podemos esperar o Papai Noel
até o ano que vem. -Não é, Haley?
-Sim, claro. Vocês são os melhores. Faça sua lição
de matemática. -Pode fazer outro pássaro?
-Sim. Obrigada, amor.
Você alegrou o meu dia. Achei que o médico tinha dito
para descansar por uns dias, não só por 24 horas. Como posso descansar
faltando seis dias para o Natal? A loja está linda, Marshall. Claramente,
o Jason o ajudou muito. Sim, ajudou. Ainda não entendo o software
idiota que ele instalou. Por isso você tem a mim. Olha só você! O que faz de volta aqui? Bom… Tinha que contar
que consegui. Realmente consegui. Achei que
não conseguiria, mas consegui. Há muitas coisas
para pensar. Dinheiro, estilo de vida,
o progresso futuro. Nova York
é uma cidade incrível. Sim. Tudo o que você pode querer
está lá. Parabéns, Jay.
Você tomou a decisão certa. Seu pai vai ficar muito feliz
por você seguir os passos dele. Os passos dele?
De jeito nenhum. Tenho uma ideia. Você disse
que precisava de ajuda. Que tal
se trabalhar para vocês? Aprenderei o negócio familiar,
se me aceitarem. Vovô, eu vi
como todos o respeitam. Esta cidade foi construída
por gente como você. Nova York não é meu lugar.
Meu lugar é aqui, com você. Bem-vindo a casa. Bem-vindo a casa. Padaria da Betty.
Posso ajudá-lo? Oi. A Rosemary está? Ela saiu há uma hora. Ótimo. Você ligou ontem, não é? Não quero partir seu coração,
mas a Rosemary é casada. Era, não é mais. Ela é boa demais para aquele
cara, é um verdadeiro imbecil. -Oi, Zach.
-Oi. -Vamos lançar a bola?
-Sim. Pegue umas luvas. Jason, tem um homem
lá fora dizendo que é o pai
do Zach e da Haley. Quer levar as crianças.
Preciso de ajuda. Sim. Quero meus filhos, agora. Não é o jeito
de lidar com isto. Não pode invadir aqui
e levar as crianças, sem a notificação
apropriada. É contra a lei. -Chame a mãe deles.
-Não precisa chamar. -Você não vai entrar lá.
-Quem você acha que é? Afaste-se.
Chame a mãe. Sim, vá em frente, chame.
Diga que me enchi de tudo isto. Se você é o pai dessas crianças,
deveria agir como tal, e não como um bobo. Quero os meus filhos! Não conheço muito a lei, mas tentar levar
seus filhos sem autorização pode metê-lo
em grandes problemas. Acalme-se e afaste-se. -O Brad pegou as crianças?
-Ele tentou. Mas eles não sabem
que ele veio aqui. Graças a Deus. O juiz nunca dará a guarda
para ele, depois disto. Você não vai precisar mais
se preocupar com ele. Glory, você foi muito corajosa
enfrentando-o. Não fui eu que impedi o Brad de pegar seus filhos,
foi o Jason. O Jason não deixaria que o Brad
levasse o Zach e a Haley. Jason? Que Jason? Oi, mamãe. Você! Você. -Mamãe.
-Oi, amor. Você é a mãe
do Zach e da Haley? Sim. Que incrível! O Zach e a Haley
são crianças incríveis. Eu sei, sou muito abençoada. -Hora do lanche.
-Eba! -Desculpe ter duvidado de você.
-Não. Está bem. Sou um homem com quem
você topou na rua. Como podia saber? Obrigada por enfrentar
o meu ex. -Acho que você me deve uma.
-Sim, eu faço qualquer coisa. Quase qualquer coisa. Aliás,
você me deixou plantada. Não, surgiu a minha entrevista
em Nova York. Eu liguei para avisá-la. Você não recebeu o recado,
Rosemary? Claro. Bom… Eu não sou a Rosemary.
Sou a Christine. Meu nome é Christine Eisley
e trabalho com a Rosemary, estava usando avental
naquele dia na padaria, mas não sabia se podia confiar
em você, então… -Christine?
-É. Que estranho… Procurei uma moça chamada
Christine pela cidade inteira. Ela salvou a vida de uma mulher
que teve um ataque cardíaco. Sim, fui eu. Aconteceu quando
estava indo para o trabalho, e no dia que topei com você,
perdi meu trabalho. Espere. Que incrível! Eu tenho que ir. Fiquei pensando nisto
desde que você topou comigo e desde que pulou
na frente do meu carro, desde que vi você
na frente da padaria e dentro da padaria… Bom, eu tirei isso
da cabeça. Que Natal! Judy, estes são os números do estoque
de hoje ou da semana passada? Estou confuso. Marshall, não se preocupe.
O Jason sabe o que faz. -Eu a encontrei!
-Quem? Judy, encontrei a mulher
que salvou a sua vida. -Onde está?
-Ela é incrível. Vi esta mulher pela cidade
inteira e não sabia. Tem olhos castanhos bem grandes,
cabelo comprido até aqui, -um sorriso incrível e…
-Jason, quem é? Quem é? É uma mãe solteira
com dos filhos incríveis. Christine Eisley. Mora aqui em Wilsonville. -Mamãe, não consigo dormir.
-Continue tentando. -Você é Christine Eisley?
-Sim. Assine aqui. Não pedi nada.
De onde é tudo isto? Entrega da Wilson’s. É de um remetente anônimo.
Pegue. Perfeito.
Obrigado, obrigado. -Isso é para você.
-Obrigada. -E Feliz Natal.
-Obrigada. Feliz Natal. “Obrigada pela sua coragem
e bondade.” Feliz Natal. Meus melhores
desejos para Simon. -Posso ajudá-la?
-Sim, oi. Recebi uma entrega daqui
ontem à noite, mas não pedi nada. Christine Eisley. -Você é a Christine?
-Sim. Não, o pedido estava certo. Desculpe-me.
Quem mandou? Eu e a minha esposa. -Sou Marshall Wilson.
-Não entendo. Venha comigo. -Judy?
-Sim? Esta é a Christine. -Querida!
-Você é a mulher do acidente. -Você salvou a minha vida.
-Que bom que você está bem. -Eu te devo tudo.
-Não, é sério. Fiz o que qualquer um
teria feito. Estava atrasada com meus filhos
para a escola, para o trabalho, só estava no lugar certo
na hora certa. Não, você estava destinada
a estar lá. É verdade, fiz o que qualquer
pessoa teria feito. Os presentes e o dinheiro,
é demais. Pelo contrário,
não é nem um pouco suficiente. Você salvou duas vidas
naquele dia. Este é o meu neto Jason. Nós nos conhecemos. Você sabia de tudo isso
ontem? Bom, quando encontrei você, sabia que tinha que contar para
a Judy e ao vovô imediatamente. Quero que me conte tudo. Não acredito em tudo
o que aconteceu nesta semana. E amanhã é Natal. E todas aquelas ligações
para a Rosemary! E você pensava que o Jason
estava seguindo você. Eu conheço o Jason
desde que era menino. Eu o via na Liga Infantil
e mais tarde no colégio. O pai dele era o melhor
amigo do meu filho. Betty, você está bem?
O que foi? Onde conseguiu
esse relicário? Minha mãe me deu. Posso? Claro. Não abre. Dei este relicário
para o meu filho, antes dele embarcar. Não, era da minha mãe.
Meu pai deu para ela. Depois do acidente,
me mandaram esta chave com objetos pessoais dele. Por favor? Deus do céu! -“Siga seus sonhos.”
-“Siga seus sonhos.” Christine… A boa notícia… que o Dennis
queria me contar… era você! Seu filho é o meu pai? Veja estes presentes! Eu sei! É uma loucura. Zach, posso falar com você
um pouco? Claro, Pegada. Isto é para você. -Nossa!
-Quero que seja meu catcher na primavera. Se eu sou o seu catcher, quer dizer que você
é meu treinador. Certo. O treinador Jason
dos Wilson’s Warriors. Você e eu estaremos
no mesmo time, amigo. -Já podemos abrir os presentes?
-Agora? Não sei.
É noite de Natal. Por mim, tudo bem. E se cada um
abrir um presente? -Eu concordo.
-Por mim, tudo bem. Está bem, só um. -Eba!
-Eba! Aqui tem um para o Zach. E aqui tem um para a Haley. Obrigada. O que será que tem aqui? O que você acha? Veja, mamãe!
O que eu queria! É muito linda, querida. O que é, Zach? Nossa! -Uma jaqueta de beisebol!
-Não é incrível? De quem são?
O que está nas etiquetas? Esperem. Diz: “Da bisavó”. Avó? Não temos bisavó. Eu também achei
que não tinham. E, de alguma forma,
eu e ela nos encontramos. A bisavó de vocês é a Betty. É? -É mesmo?
-Sim, mesmo. De verdade.
Para sempre de verdade. Essa jaqueta foi do meu filho,
seu avô. O nome dele era Dennis. -Obrigada, bisa.
-Obrigado, bisa. Acho que nós temos que lembrar
por que estamos aqui. Por causa
de uma estrelinha… que me mostrou o caminho
quando estava perdida. E trouxe a Judy
para a minha vida. -Você me devolveu a minha.
-E a minha. E me trouxe de volta
para a vida. Não vai dizer nada? Não. Nossa! Já posso olhar? Feliz Natal. -Feliz Natal!
-Feliz Natal! -Feliz Natal!
-Para vocês também. Feliz Natal, Haley! -Feliz Natal para todos!
-Feliz Natal! Podemos abrir
mais presentes? Este é o melhor Natal
que já tivemos. Subrip: Pix / Sincronia: Replay Filmes

3 Comments

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *